segunda-feira, 4 de julho de 2011

Química do Esmalte

Trabalho dos Alunos: Hanna, João Alves, Letícia, Nickolas e Ravele - 3B - ETEC Sapopemba - 1 Sem 2011

11. IMPORTÂNCIA DA QUÍMICA NOS COSMÉTICOS

A Química é imprescindível para os cosméticos. Cosméticos podem ser definidos como toda substância ou conjunto de substâncias, que neste caso são chamadas de formulações cosméticas, capazes de atuar na manutenção e melhora da aparência humana, ou até mesmo na higiene pessoal.

O interesse pelos cosméticos vem desde a Grécia antiga, quando eram extraídos óleos fixos e essenciais de diversas plantas com finalidades cosméticas. Mas como tudo se desenvolve em conjunto com a tecnologia, a partir do século X, nos primórdios da química, começaram a surgir as primeiras formulações visando criar cosméticos mais eficientes e variados, em princípio a partir da combinação de diversos óleos vegetais como, por exemplo, amêndoas com outros óleos. Além do desenvolvimento de diversas técnicas de extração de essências para a criação de perfumes.

Com o desenvolvimento da química como ciência a partir do século XVIII, muitos métodos químicos vêm sendo aplicados aos cosméticos, como por exemplo: melhores métodos de extração de essências e óleos, síntese de essências artificiais, procuram por novas formulações e substâncias que possuem maior eficiência sobre a pele humana (em conjunto com bioengenharia). Além de análise e controle de qualidade de cosméticos, com destaque para diversas técnicas experimentais. A química pode auxiliar na otimização de um novo cosmético ou prover meios de estabilização e conservação de formulações que sejam mais eficientes. Tais formulações devem ser estáveis, ou seja, os seus componentes não devem reagir entre si, pois do contrário haveria degradação da formulação e é papel da química garantir que isso não ocorra.

2. HISTORIA DO ESMALTE

A idéia de colorir as unhas é bem antiga. Estima-se que em 3000 antes de Cristo, os Chineses, Italianos e Japoneses já tinham esse costume.

Os chineses em particular, faziam uma mistura de vários ingredientes: clara de ovo, cera de abelha e até gelatina! Pétalas eram esmagadas e incluídas na mistura para obtenção de uma coloração rosada ou avermelhada.

Os antigos egípcios utilizavam henna de cor vermelho-amarronzada para colorir as unhas, essa mudança da coloração das unhas era sinal de opulência e riqueza.

Em 600 antes de Cristo, no tempo da dinastia Chou, já existiam cores específicas designadas às mulheres da realeza para separá-las das mulheres comuns. Inicialmente, a realeza usava dourado ou prateado, mas, conforme o tempo foi passando, essas cores mudaram para preto e vermelho. Enquanto isso, a classe baixa tinha que se contentar com cores mais claras. Se pessoas que não fizessem parte da realeza fossem vistas usando as “cores reais”, elas seriam executadas!

Já na idade moderna, em 1800 as unhas femininas apresentavam-se curtas, moldadas a lima, levemente arredondadas. Ocasionalmente eram perfumadas com óleo vermelho e polidas com couro macio.

Em 1830 na Europa, o físico Dr. Sitts, inspirado pelos palitos de dente desenvolve o primeiro instrumento de manicure. Com este instrumento a cutícula podia ser empurrada gentilmente para trás. Antes desse instrumento a cutícula era removida com todo tipo de metal, ácidos e tesouras.

A sobrinha do Dr. Sitts, em 1892 desenvolveu novo instrumental, fazia palestras sobre como tratar da cutícula e com isso surgiram os primeiros salões de manicure.

Em 1930 Rita Hayworth, Gloria Swanson e Jean Harlow promovem o uso de esmaltes internacionalmente.

Em 1932 Charles e Joseph Revlon dois irmãos americanos, mais um químico criam o esmalte brilhante e colorido com pigmentos, para ser aplicado na unha toda. Nasce à marca Revlon e eles promovem pela primeira vez a tendência de maquiar os lábios e unhas da mesma cor.

Em 1970 começa a década dos esmaltes sintéticos. As unhas tornam-se extremamente longas através de várias técnicas e estão na última moda.

Não está claro como o esmalte evoluiu depois da antiguidade, mas de acordo com um artigo publicado na “Nails Magazine” em 2007, no século 19 as unhas eram tratadas com óleos essecias vermelhos e polidas com tecidos de camurça. Um século mais tarde, algumas mulheres massageavam suas unhas com pós e cremes coloridos e então as poliam para deixá-las brilhantes. Durante esse período, as mulheres também usavam um esmalte transparente, que era aplicado com um pequeno pincel feito com pelo de camelo.

A criação do esmalte como o conhecemos, é atribuída a Michelle Menard nos anos 1920 e foi inspirada nas tintas para carros. O interesse pelo esmalte para unhas começa então a florescer e muitas estrelas de Hollywood eram vistas com freqüência exibindo unhas bem vermelhas.

Desde então, foram criadas inúmeras outras cores de esmalte. Hoje em dia, as corem cobrem todo o espectro, do preto ao branco, do vermelho ao verde, passando por todas as cores intermediárias.

Até a década passada acreditava-se que esmaltes sintéticos para unhas tinham uma única finalidade a parte estética. Hoje, após estudos feitos no aprimoramento e na seleção das matérias primas empregados, podemos dizer que além do efeito estético o esmalte tem o objetivo de proteger as unhas das agressões do dia a dia e fortificá-las que, ou pôr alimentação incorreta, ou pôr heranças genéticas tendem a ficar fracas.

A partir dessa nova mentalidade os esmaltes foram desenvolvendo-se cada vez mais e foram criados novos produtos com a finalidade de atender as necessidades de mercado.

Até o ano de 2005 utilizava-se o DBP (Dibutil Ftalato) como plastificante para o esmalte, porém após estudos, foram verificados efeitos maléficos que seriam ocasionados por ele. Passou então a ser usado o ACTB (Acetil Tributil Citrato), que tem ação tão boa quanto o anterior (deixa o esmalte mais flexível, menos quebradiço) e é seguro a saúde.

Em se tratando de alergias, podemos dizer que uma camada de aproximadamente 10% da população possui alergia a esmaltes. Essas alergias se devem em 95% a presença de Tolueno, que é um solvente (barato) pertencente a fórmula tradicional de esmaltes. Estamos fazendo estudos para substituir também esse solvente e tornar o produto mais aceito, e apesar de um pouco mais caro, o que é inevitável, não deixar o produto perder as suas características. É de fato uma tendência mundial a eliminação do tolueno na formulação dos esmaltes. E, por fim, 5% das alergias se devem a presença de formoaldeído na fórmula. Ele está presente na resina do esmalte. A função da resina é dar a aderência e a durabilidade ao produto. O problema de alterarmos a resina é que inevitavelmente perdemos muito em qualidade e aumentamos muito o custo final do produto, o que são fatos antagônicos, pois deixar o produto mais caro e “pior” é muito difícil de ser aceito pelos outros 90% da população que não possuem alergias a esses componentes. Até o momento o formoaldeído só está proibido nos Estados Unidos, Canadá e nos países do oeste europeu. No assunto alergias, vale ressaltar que uma pessoa pode não ter alergia nem ao tolueno nem ao formoaldeído e ter alergia a mica, que é um pigmento utilizado nos esmaltes cintilantes e perolado.

INFORMAÇÕES SOBRE ESMALTE DE UNHAS


O efeito perolado é muito apreciado devido às suas propriedades de brilho e beleza.

A FarmaQuimia, uma empresa especialista em sais de Bismuto e com mais de 40 anos de tradição, tem a solução para a obtenção deste maravilhoso efeito de brilho e beleza nos esmaltes de unhas através dos Pigmentos Perolados à base de Oxicloreto de Bismuto.

Graças à sua forma, os cristais de Oxicloreto de bismuto se orientam facilmente em camadas paralelas, pois sendo transparente, cada cristal reflete somente parte da luz incidente. Esta reflexão simultânea de luz em todas as camadas microscópicas garante o efeito de brilho perolado.

Outra grande vantagem é que o Bismuto, considerado como metal verde, não causa nenhum tipo de alergia, irritação ou contaminação quando em contato com a pele ou unha, podendo inclusive ser utilizado em formulações hipoalergênicas.

Apresentação:

A FarmaQuimia dispõe de dispersões de Oxicloreto de Bismuto em laca de nitrocelulose para esmalte de unhas nas concentrações 25% ou 60%, em embalagens de 1, 20 e 25 kg, com estoque local para pronto atendimento.

Outras opções de tons, meios, viscosidade ou concentrações podem ser solicitadas ao respectivo departamento técnico.


5. NITROCELULOSE

A Nitro Química conta hoje com a mais moderna fábrica de nitrocelulose do mundo, desponta entre os maiores produtores globais e exporta para mais de 60 países nas Américas, Europa, Oriente Médio, Ásia e África. Os produtos possuem os mais altos padrões de qualidade e são certificados pela ISO 9001, versão 2008.

Eficiente e de fácil aplicação, a nitrocelulose é uma das mais tradicionais resinas sintéticas. Por tratar-se da resina de mais rápida secagem, é usada em segmentos como repintura automotiva, cosméticos (esmalte de unha) e acabamentos para couro, além de diversas outras aplicações.

Outro fator que ressalta as qualidades da nitrocelulose em relação a outras resinas é que ela é produzida a partir de matérias-primas renováveis (celulose de madeira e de linter de algodão e etanol), sendo, portanto um produto ambientalmente correto.

5.1. Composição Cosmética

A presente invenção tem por objeto composições cosméticas que compreendem pelo menos um solvente orgânico e uma nitrocelulose modificada que comporta funções hidroxilas livres substituídas, total ou parcialmente, por radicais -oyr, em que r representa uma cadeia hidrocarbonada linear, ramificada ou cíclica, de 1 a 500 átomos de carbono, de preferência de 4 a 100 átomos de carbono, saturada ou insaturada, podendo comportar um ou mais átomos de o, n, s, si e/ou p, e y representa uma ligação simples ou um grupo de ligação e processos de preparação da referida nitrocelulose. Essas composições podem ser em particular composições de esmaltes para unhas.

5.2 Composição do Esmalte

Um esmalte comum compõe-se de aproximadamente 85% de solventes e 15% de resinas, plastificantes e outros agentes. A tabela abaixo demonstra a função dos principais componentes de um esmalte de unha comum.

Denominação INCI

Denominação INN

Denominação química / IUPAC

Função

Butil Acetate

Acetato de Butila

Etanoato de butila

Solvente

Ethyl Acetate

Acetato de Etila

Etanoato de etila

Solvente

Toluene

Tolueno

Metilbenzeno

Solvente

Nitrocelulose

Nitrocelulose

Piroxilina

Agente filmogênico

Tosylamide/Hectorite Resin

Formaldeíldo

Metanal

Agente esterelizante

Isopropyl Alcohol

Isopropanol

Propano-2-ol

Solvente / Controlador de viscosidade

Acetyl Tributyl Citrate

Citrato de Acetil Tributil

Acetil Butileno

Plastificante

Camphor

Cânfora

1,7,7-trimetildiciclo[2.2.1]heptan-2-ona

Plastificante

Stearalkonium Hectorite

Estearalcônio Hectorita

Estearalcônio Hectorita

Espessante

Benzophenone-3

Benzofenona-3

1,1-diphenylmethanone

Cetona aromática

Alcohol

Alcool

Etanol

Solvente

6. ESMALTES HIPOALERGÊNICOS

Os cosméticos que mais causam alergia são justamente os esmaltes, que costumam conter em sua formulação três grandes vilões: formaldeído (mais conhecido como formol), tolueno e mica (usado nos esmaltes perolados e cintilantes).

Os sintomas se manifestam normalmente no rosto e no pescoço, apresentando vermelhidão e coceira. Porém, pra identificar a real causa de uma alergia, é necessário consultar um dermatologista.

Pra quem já sabe que é alérgico a esmaltes, uma solução é utilizar os esmaltes hipoalergênico, que várias marcas possuem. Entre as mais conhecidas no Brasil, temos Impala, Risque. Entre as novas marcas que estão chegando com tudo, temos os esmaltes da Hits.


O Esmalte Hipoalergênico contém:


7. FUNÇÕES

· AGENTE FILMOGÉNICO - Produz, quando aplicado, uma película contínua sobre a pele, o cabelo ou as unhas;

· ANTIESPUMA - Evita a formação da espuma durante a preparação, ou reduz a tendência de formação de espuma nos produtos acabados;

· SOLVENTE - Dissolve outras substâncias;

· CONTROLADOR DE VISCOSIDADE - Aumenta ou diminui a viscosidade dos cosméticos;

· ABSORVENTE - Captam substâncias solúveis em água e/ou óleo, quer dissolvidas, quer finamente dispersas;

· OPACIFICANTE - Reduz a transparência ou translucidez dos cosméticos;

· ANTIFLOCULANTE - Permite o livre fluxo de partículas sólidas, evitando assim a aglomeração de cosméticos em pó na forma de grumos ou massas duras;

· AGENTE DE VOLUMEDESNATURANTE - Torna os produtos cosméticos impróprios para beber. De um modo geral adicionado a produtos cosméticos contendo álcool etílico;

· PLASTIFICANTE - Suaviza e flexibiliza outra substância que de outro modo não poderia ser facilmente deformada, esticada ou trabalhada;

· GELIFICANTE - Confere a uma preparação líquida a consistência de um gel (preparação semi-sólidacom alguma elasticidade).

3 comentários:

  1. Ótimo post...... td que eu preciso p fazer meu trabalho, obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Olá professor Osmar, gostei muito desse trabalho e estou tendo como base de pesquisa. Porém gostaria de saber se você tem ele como um artigo para que eu possa colocar como referência? Obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde!

    Prof Osmar, por gentileza você tem esse trabalho em artigo, pois gostaria de utilizar em meu TCC.

    ResponderExcluir